Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://ivar.azores.gov.pt/sjorge. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://ivar.azores.gov.pt/sjorge. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Última hora:
  • Ilha de S. Jorge (Sistema Vulcânico Fissural de Manadas) em Alerta Científico V3, após reativação do sistema vulcânico em profundidadeIlha Terceira (Vulcão de Santa Bárbara) em Alerta Científico V2 devido aos níveis de atividade microssísmicaAtividade sísmica na ilha de São Jorge encontra-se acima dos valores normais de referênciaAtividade sísmica no Vulcão de Santa Bárbara (ilha Terceira) encontra-se acima dos valores normais de referênciaIlha de S. Jorge, último sismo sentido: 15 de agosto às 23:27h, intensidade máxima III na freguesia de RosaisCIVISA apela ao preenchimento do inquérito de macrossísmica em caso de sentir um sismo



Sobre Sismologia

Os sismos são vibrações do solo relacionadas com o deslocamento súbito de uma secção de um plano de falha, ocorrendo libertação de energia elástica sob a forma de ondas sísmicas, que se propagam pela Terra e ao longo da superfície da Terra por grandes distâncias. A maioria dos sismos são o resultado de processos tectónicos, associados aos limites das grandes placas litosféricas. No caso do arquipélago dos Açores, este situa-se na interseção de três grandes placas (Norte-Americana, Euroasiática e Africana). Para além dos sismos que ocorrem no limite das placas litosféricas, existe igualmente sismicidade associada a outros processos geológicos tais como a atividade vulcânica e/ou hidrotermal. A observação contínua da atividade sísmica associada a determinado sistema vulcânico, conseguida através da monitorização sísmica, permite determinar o seu estado de atividade.

A monitorização sísmica utiliza equipamentos extremamente sensíveis (sismómetros), que detetam o movimento do solo provocado pela passagem das ondas sísmicas. O registo dessa movimentação é utilizado para a determinação de parâmetros sísmicos como a localização, o tempo de origem e magnitude, assim como outras características inerentes ao fenómeno sísmico. A capacidade de deteção de uma rede sísmica depende do tipo de instrumentos instalados, do número e geometria da rede em relação à zona epicentral, da quantidade de energia libertada pelo próprio sismo e do nível de ruído de vibração do solo.

A monitorização sísmica tenta relacionar diferentes parâmetros, tais como a frequência, tipos de sismos e seu conteúdo espectral, migrações de localizações (sejam epicentrais e/ou hipocentrais), com processos físicos associados à movimentação de fluidos e/ou a processos tectónicos inerentes ao contexto geodinâmico peculiar do arquipélago dos Açores.