Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://ivar.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://ivar.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Não é possível visualizar esta Peça Web. Para resolver o problema, abra esta página Web num editor de HTML compatível com o Microsoft SharePoint Foundation como, por exemplo, o Microsoft SharePoint Designer. Se o problema persistir, contacte o administrador do servidor Web.


ID de Correlação:93e1fb14-9c13-4985-826d-bae95a365691


Teses ► Mestrado

 

Referência Bibliográfica


GOULART, C. (2004) – Aplicação de sistemas de informação geográfica à análise de riscos geológicos. Dissertação​ de Mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos, Departamento de Geociências, Universidade dos Açores, 119p.

Resumo


O enquadramento geotectónico e climático do arquipélago dos Açores tem propiciado, conforme testemunhado nos últimos cinco séculos de história, a ocorrência de fenómenos geológicos como movimentos de vertente, sismos e erupções vulcânicas. Os impactes daí resultantes vão desde a destruição de bens e infra-estruturas até à perda de vidas.

 

Visando construir cenários actuais e futuros dos riscos geológicos nos Açores para, deste modo, auxiliar nas decisões em situação de emergência e no ordenamento do território, o Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos (CVARG) da Universidade dos Açores, decidiu criar uma base de dados (BD), denominada AZORIS, para compilar todos os elementos que possui, recolhe ou gera que possam contribuir para uma melhor caracterização da região.

 

No presente estudo fez-se uma abordagem às características de base e filosofia de trabalho dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG), seguindo-se uma recolha de exemplos de aplicações desses programas à análise de riscos geológicos, elaborados por diversos autores. Seguidamente procedeu-se ao coligir dos dados e organização do arquivo onde constarão todos os elementos passíveis de serem integrados na análise dos riscos geológicos nos Açores.

 

A organização dos dados respeitou a tipologia e temática dos elementos existentes visando facilitar a localização da informação na estrutura criada. Na AZORIS, tendo em conta a complexidade do universo espacial da região foram criados dois níveis de informação: o arquipélago e a ilha. Dadas as suas diferenças temáticas, para cada um destes, os dados foram organizados em dois conjuntos: (1) os de base, de monitorização e históricos, e (2) os referentes à análise dos riscos geológicos. Os dados de base, de monitorização e históricos são constituídos pelas séries de dados: (1) geográficos e sócio-económicos, (2) da Protecção Civil, (3) geológicos e geomorfológicos, (4) vulcanológicos, (5) de movimentos de massa, (6) sismológicos, (7) geodésicos, (8) de geoquímica de fluidos, (9) meteorológicos e (10) de tsunamis. Os dados para a análise do risco contemplam a informação relativa aos perigos e às vulnerabilidades.

 

No presente documento, o tratamento dos dados armazenados na AZORIS é feito através do uso de SIG. Para demonstrar a funcionalidade do sistema, seleccionou-se a freguesia de Água d’Alto, na vertente Sul do Maciço do Fogo, na ilha de S. Miguel, Açores, para aí se estudar o risco de movimentos de vertente e de eventos sísmicos. Para tal, utilizaram-se os dados relativos à freguesia em análise adoptando-se as metodologias já aplicadas por Gomes (2003) na região das Sete Cidades. Constatou-se que, no que diz respeito aos movimentos de vertente, a maior parte da área da freguesia pertence às classes de perigo elevado e muito elevado. Relativamente à vulnerabilidade a este tipo de eventos, verificou-se que cerca de 50% das habitações estão construídas em zonas que lhes conferem uma vulnerabilidade elevada a muito elevada. No que concerne ao perigo sísmico, Silveira (2002) estabeleceu para a área de estudo a intensidade máxima histórica de X (EMS-98), correspondente ao evento de 22 de Outubro de 1522. A sismicidade instrumental dos últimos 20 anos mostra, por sua vez, uma grande frequência de eventos no Maciço do Fogo com intensidades que não ultrapassaram o grau IV (EMS-98). Atendendo à tipologia de construção, cerca de 68% das habitações da freguesia pertencem à classe de vulnerabilidade A (EMS-98, adaptado por Gomes à região, 2003) ou seja, à classe de maior vulnerabilidade.

 

Após esta aplicação verificou-se que os resultados obtidos expressam bem a realidade, sendo, por isso, úteis no que concerne a políticas de ordenamento do território e gestão de mecanismos de resposta em caso de ocorrência de catástrofes naturais.

Observações


Anexos